Portuguese English French German Italian
terça, 13 dezembro 2016 10:52

Edição nº 20 - Novembro 2016

A Cooperativa de Penela ganhou raízes.

Depois da ousadia levada a cabo por um grupo de penelenses para fazer frente aos intermediários, a Cooperativa cresceu.
Apesar de alguns anos os preços não terem sido os melhores, os associados ganharam um capital em equipamento de cerca de dois milhões de euros.

Em recursos humanos, a Cooperativa está dotada de colaboradores que aconselham na área agrícola: plantações, adubação, combate às doenças, tratam-nos da documentação nas candidaturas, informam-nos sobre novas estratégias no mercado dos nossos produtos. É possível também comprar produtos de outras cooperativas ou sócios, como azeite, vinhos, mel… a preços competitivos.

A Cooperativa está reconhecida oficialmente como organização de produtores. Foi-nos atribuído o certificado BRC em termos de higiene e segurança, dos mais elevados graus em termos de exigência e que nos abre mercados internacionais apetecíveis.

Somos reconhecidos pelas instituições financeiras como PME líder, atestando, também aqui a solidez da Cooperativa.

Em Penela, no município de Penedono, na região e mesmo a nível nacional a Cooperativa tem o nome reconhecido como instituição que está na vanguarda da defesa dos nossos produtores.

A Cooperativa faz parte da Direção de organizações nacionais do setor como a RefCast ou Centro Nacional de Competências dos Frutos Secos em conjunto com universidades e outras entidades pioneiras na dinamização de tudo o que tem a ver com a castanha.

E, sejamos claros, este dinamismo valeu-nos um cerco feroz por parte dos angariadores que compram castanha no nosso concelho.

Temos provas de preços oferecidos aqui que os mesmos compradores não pagam na sua área de residência pela mesma castanha. É a vontade deliberada de tirar castanha à Cooperativa.

E se a Cooperativa fechasse?

Os preços cairiam.…

A Cooperativa adianta dinheiro antes da campanha porque havia alguns sócios que diziam vender por fora, porque a Cooperativa pagava tarde e precisavam de dinheiro. Este ano fixámos até um preço mínimo. Começamos a pagar um mês depois de acabar a apanha da castanha. Estamos a tentar melhorar cada vez mais a vida dos produtores. Este ano os melhores produtores vão receber a pouco menos de 3 euros o Kg de castanha!

Mas a Cooperativa só pode vencer esta guerra se todos confiarem e lhe entregarem a sua produção. A Cooperativa é nossa e só será rentável se os ideais que levaram à sua fundação se mantiverem vivos na luta contra os intermediários. Cabe a cada um decidir: se não concorda connosco, venha à Cooperativa e informe-se sobre a melhor situação, de modo a não ser penalizador para o grupo e evitar mais multas. 

Leia este artigo e muito mais no Boletim da Cooperativa, basta carregar em "Download  Boletim". 



Ainda nesta categoria: « Edição nº 19 - Agosto 2016